<$BlogRSDUrl$>

segunda-feira, dezembro 06, 2004

"Suspense" por Pinto da Costa

O Tribunal de Gondomar vai voltar a estar amanhã no foco das notícias. A juíza Ana Cláudia Nogueira, de 32 anos, vai ouvir o último arguido desta segunda fase pública do processo Apito Dourado, nem mais nem menos do que Pinto da Costa. O presidente do FC Porto esteve detido três horas e meia, viu o respectivo mandado de detenção emitido pelo Ministério Público revogado e só no final da inquirição, a ocorrer no dia do FC Porto-Chelsea, se saberá se e quais as medidas de coacção que a juíza lhe vai aplicar.

Desde que o Apito Dourado começou, em Abril, e como seria de esperar, todos os arguidos chamados a depor com mandado de detenção - facto que implica desde logo alguma gravidade das acusações - saíram do tribunal sempre com mais do que o mínimo das medidas de coacção aplicáveis: o termo de identidade e residência, no meio judicial abreviado para "tir".

Todos os arguidos foram impedidos de contactar os restantes, o que na primeira fase colocou alguns problemas desde logo a Valentim Loureiro. José Luís Oliveira, então presidente do Gondomar, era também vice-presidente da Câmara Municipal de Gondomar e Castro Neves, director do futebol do clube gondomarense, estava prestar a tomar posse como vereador. Ou seja, o presidente, o vereador e o quase-vereador corriam o risco de não se poderem encontrar nos corredores da própria edilidade e não podiam falar, o que tornaria a autarquia de Gondomar tecnicamente ingovernável.

Tudo se resolveu quando foi decretada a prisão preventiva de José Luís Oliveira - situação na qual permanece, embora em prisão domiciliária, com pulseira electrónica - e quando Castro Neves não tomou posse. Valentim Loureiro, que se viu suspenso pelo tribunal das presidências da Metro do Porto e da Liga de Clubes, pôde assim continuar a presidir à Câmara de Gondomar. Hoje, tudo aponta para a não recandidatura do major nas próximas eleições autárquicas, em Outubro de 2005.


This page is powered by Blogger. Isn't yours?